Cofundador do Facebook diz que empresa deveria ser dividida em várias

Entretenimento


As críticas de ex-executivos do Facebook estão se tornando mais comuns. A última veio do cofundador da rede social, Chris Hughes, que esteva na empresa até 2007. Em artigo publicado no New York Times, ele defende a divisão da companhia.

Hughes entende que isso seria necessário por conta do que ele considera ser um “poder descontrolado” de Mark Zuckerberg. Ele afirma ainda que o CEO do Facebook possui influência “muito além do que qualquer outra pessoa no setor privado ou no governo”.

Dicas Úteis Online Cofundador do Facebook diz que empresa deveria ser dividida em várias

“Mark é uma pessoa boa e gentil”, diz Hughes. “Mas estou com raiva porque seu foco no crescimento levou-o a sacrificar a segurança e a civilidade por cliques”. O empresário entende que devia ter refletido, quando ainda estava no Facebook, sobre o peso que a rede social poderia alcançar.

“Estou desapontado comigo e com a equipe inicial do Facebook por não pensar mais sobre como o algoritmo do feed de notícias pode mudar nossa cultura, influenciar eleições e empoderar líderes nacionalistas”, continua. “E estou preocupado que Mark tenha se cercado de uma equipe que reforça suas crenças em vez de desafiá-las”.

O empresário também respondeu ao artigo de Zuckerberg publicado em março no Washington Post. Nele, o CEO do Facebook admite a necessidade de mais regulação em quatro áreas: conteúdo nocivo, eleições, privacidade e portabilidade de dados.

Para Hughes, no entanto, Zuckerberg deseja apenas evitar um processo antitruste contra o Facebook. O cofundador da rede social acredita que a companhia deveria ser obrigada a reverter aquisições como o WhatsApp e o Instagram.

As saídas de integrantes do Facebook

O Facebook tem lidado com perdas de peças-chave de sua equipe. Em alguns casos, elas são causadas por desentendimentos em relação aos rumos que a empresa deve tomar.

Chris Cox, por exemplo, um dos responsáveis pelo feed de notícias, confirmou em março que deixaria a empresa. À época, ele disse que a integração entre WhatsApp, Instagram e Messenger exigiria “líderes entusiasmados em levar a cabo essa nova direção”.

Em setembro, os cofundadores do Instagram, Kevin Systrom e Mike Krieger, também anunciaram que saíriam da empresa. Eles reprovaram ações de Zuckerberg, que queria ter mais controle sobre a rede social, ainda que tenha prometido independência quando ela foi comprada.

A saída dos criadores do WhatsApp ocorreu há mais tempo. Jan Koum decidiu deixar o Facebook em maio de 2018. A decisão foi tomada após a empresa estudar enfraquecer a criptografia do mensageiro para facilitar o uso do WhatsApp Business.

Brian Acton, por sua vez, deixou a companhia em setembro de 2017 e, meses depois, investiu US$ 50 milhões no Signal, um aplicativo de mensagens com foco em privacidade. Com a revelação do caso Cambridge Analytica, ele chegou até mesmo a se juntar à campanha #DeleteFacebook.

Com informações: CNN.

Cofundador do Facebook diz que empresa deveria ser dividida em várias

Dicas Úteis Online Cofundador do Facebook diz que empresa deveria ser dividida em várias
Dicas Úteis Online: Tcnoblog Entretenimento

Deixe um comentário